Os 6 subsistemas de um sistemas de cabeamento estruturado

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp

Os subsistemas do cabeamento estruturado também devem apresentar as características de transmissão e distribuição segundo padrões normatizados, com facilidade no gerenciamento, desde o projeto, a instalação, a operação e a manutenção.

O sistema de cabeamento estruturado pode ser dividido em subsistemas, de acordo com as normas do Institute of Electrical and Eletronics Engineers (IEEE), da Electronic Industries Alliance (EIA) e da Telecommunications Industry Association (TIA), que são referências mundiais nesse conceito de cabeamento.

Os subsistemas do cabeamento estruturado também devem apresentar as características de transmissão e distribuição segundo padrões normatizados, com facilidade no gerenciamento, desde o projeto, a instalação, a operação e a manutenção.

Neste artigo serão apresentados os seis subsistemas relacionados nas seguintes normas:

  • TIA/EIA-568-C.0 – Referente ao cabeamento de telecomunicações genérico para as dependências do cliente.
  • TIA/EIA-568-C.1 – Referente ao cabeamento de telecomunicações utilizados em edifícios comerciais.

1 – Instalações de entrada (Entrance Facilities)

Estas instalações são representadas por um distribuidor geral (rack) que abriga todos os cabos, os componentes e os equipamentos necessários para a conexão do provedor de acesso/rede externa com a rede interna de uma edificação.

Como consequência das características de organização e identificação do cabeamento estruturado, essa conexão permite uma distribuição eficiente e com alto fator de custo/benefício.

2 – Sala de Equipamentos (Equipment Room)

Respeitando as especificações de cada projeto, esse ambiente é destinado para a instalação de equipamentos como switches e roteadores, distribuidores (racks) para as conexões principal (que vem da instalação de entrada), horizontal (para o mesmo pavimento e eventualmente conexões com edificações externas pertencentes à rede) e vertical (para outros pavimentos do mesmo edifício).

3 – Cabeamento de Backbone (Backbone Cabling)

Esse cabeamento tem a característica de tráfego de taxas de alta velocidade e criticidade.

Esse subsistema provê as condições de conexão entre a instalação de entrada e os segmentos de cabeamento horizontal e vertical, incluindo a conexão entre servidores que podem estar distribuídos entre toda a área da edificação.

O backbone é a espinha dorsal do sistema de cabeamento estruturado, devido à sua disponibilidade para fazer a conexão entre os pavimentos de um edifício e também entre os outros edifícios da rede (segmentos da mesma rede).

O cabeamento utilizado neste subsistema pode ser de par trançado ou de fibra óptica multímodo (na maioria das aplicações) ou monomodo.

4 – Sala de Telecomunicações (Telecomunications Room – TR) e Gabinete de Telecomunicações (Telecomunicatons Enclosure – TE)

Nesta sala fica o distribuidor (rack) responsável pela conexão do cabeamento de backbone com o cabeamento horizontal, abrigando também todos os equipamentos, terminações e emendas para receber e distribuir o cabeamento, de modo organizado e identificado.

O gabinete de telecomunicações atende a uma necessidade específica do segmento de rede, desde que esteja previsto no projeto do sistema.

5 – Cabeamento Horizontal (Horizontal Cabling)

Esse cabeamento é responsável por fazer a conexão entre o distribuidor (rack) do pavimento e os pontos de rede dos usuários.

Essa distância está limitada a 90 metros, para cabos de par trançado, valor obtido a partir de um limite de 100 metros, mas considerando as perdas inerentes à instalação.

Cabos de fibra óptica podem ser utilizados, de acordo com as especificações do projeto.

Se for utilizado cabo de par trançado, não podem ser usadas emendas, o que é permitido apenas com o emprego de cabos de fibra óptica, respeitando as condições técnicas e normatizadas para esse processo.

6 – Área de Trabalho (Work Area – WA)

É onde estão os equipamentos dos usuários da rede como computadores, impressoras, plotters etc.

Os cabos que ligam as tomadas de rede até os equipamentos são denominados de pacth cables e devem ter comprimento máximo de 3 metros.

As normas TIA/EIA-568 (C.0 e C.1) preveem um mínimo de dois pontos para cada área de trabalho, que pode utilizar esses pontos para conexão de equipamentos distintos, como um computador e uma impressora, por exemplo.

NEWSLETTER APEXO EDU

Cadastre-se agora e recebe as últimas novidades sobre o mercado de tecnologia e Infraestrutura 

Descubra como as principais marcas já estão aplicando o 5G nas indústrias.

Nós usamos cookies para garantar a melhor experiência em nosso site